Fotos!

É… tá difícil de criar disposição pra falar sobre a viagem neste blog, afinal é o assunto de TODAS as mesas de bar atualmente… Já repeti tantas vezes a sequência de cidades que visitamos, que já tem uma sonoridade quase musical, daqui a pouco vira jingle.

Mesmo assim, não custa nada jogar aqui o link pro meu álbum do picasa, onde publiquei todas as fotos da viagem tiradas com a minha Sony a230 ;)

http://picasaweb.google.com/leocorrea.leonardo

=*

Ps.: sim, fechei a porta da minha conta do twitter… tava tendo muito problema com spam e similares… ¬¬

Anúncios

Lâmpada Mágica

Recém feito o check-in online do meu vôo para Doha, lembrei que não escrevemos nenhum post falando sobre a Qatar Airways, a lâmpada mágia que liberou o tapete pra gente viajar pras arábias :D

Se não fosse o preço ridiculamente barato do vôo ida e volta (US$ 311 pra Barcelona, US$ 370 pra Madrid), provavelmente ninguém teria falado em ir pra Europa esse ano. Ou teria, mas com certeza não seria com escala no oriente médio…

Da wikipedia, “A Qatar Airways Company Q.C.S.C. (القطرية) é a companhia aérea de Bandeira do Qatar. (…) é uma das 6 companhias aéreas a possuírem as prestigiantes 5 estrelas da Skytrax pelo seu excelente serviço. Em 2006 eleita como detentora da melhor tripulação do médio oriente e ainda a 4.º melhor companhia do mundo. Em 2007 a sua primeira classe foi eleita como a melhor do mundo. A Qatar possui características bastante inovadoras a bordo, sendo a primeira do mundo a ter Televisão digital por satélite.”

A empresa parece ser bacana, mas aqui pra nós, a grande pergunta é porque diabos um preço tão baixo? Nos parece, além da promoção de início das atividades da companhia no Brasil, que existe aí um gancho que nos leva a cidade de Doha. Todos os vôos são com escala lá (triplicando a distância/tempo de viagem), sendo que pra escalas acima de 8 horas eles dão hospedagem e traslado grátis (facilitando o pedido de visto). A minha escala no vôo de volta é de 8:05… realmente acho que eles querem que a gente dê uma banda em Doha ;)

No entanto, para usufruir dessas cortesias, é preciso ligar pro escritório da Qatar Airways em São Paulo (ligação interurbana normal em português) e fazer a solicitação, tendo em mãos o número da reserva do vôo, passaporte e validade. Quando liguei fui bem atendido (apesar de demorar uns 7 min de ligação) e a confirmação do pedido veio na mesma hora. Lembrando: A empresa não fornece vistos de permanência no Qatar, ela fornece documentos de reserva de hospedagem que, somados aos documentos solicitados pela imigração para visto, facilitam o processo.

Evidentemente, vamos viajar de classe econômica, afinal, é uma lâmpada mágica, não um prêmio da mega sena. No Boeing 777 em questão, são 3 poltronas em cada fileira, aparentemente com conforto suficiente pra passar as adoráveis 14 horas que o vôo vai durar até Doha. Diz a lenda que existem modelos de avião com wireless, onde os pobres mortais proprietários de um smartphone (como eu e o meu iPhone) poderão se comunicar com o mundo lá fora, twittar considerações sobre o ronco do gordão do lado, jogar colheita feliz, etc.

Quando chegarmos na Espanha, vou escrever uma continuação desse post, a partir do caso real. Fiquem ligados ;)

Imposto sobre o Valor Acrescentado

“manhêê, to chegando em Floripa quinta-feira. Junta a família pra eu mostrar fotos e entregar os presentinhos…”

Viajar significa voltar com uma mala cheia de coisas, materiais ou não. Memórias, experiências, amizades.. fotos, anotações, histórias pra contar… Como sobre nenhuma dessas coisas incide imposto, não interessam nesse post. ;)

A União Européia taxa o ‘valor acrescentado’ dos produtos comercializados no território, imposto chamado IVA (ou VAT em inglês). Felizmente para nós, a lei oferece aos visitantes estrangeiros a possibilidade de ressarcimento do valor do imposto, considerando que não temos a obrigação de pagá-lo (já que não somos cidadãos da União). Esse ressarcimento é exclusivo para produtos levados para fora do território.

O mecanismo é simples: no ato da compra, deve-se pedir o formulário Tax Free, preenchido com os dados do comprador com passaporte em mãos e anexados à nota fiscal do produto. No embarque para saída do território da União (conhecida como ir embora), se deve procurar o balcão Tax Free no aeroporto, apresentando o produto, a nota e o formulário. O ressarcimento pode ser feito em dinheiro ou adicionado ao cartão de crédito, na hora. Apenas recomenda-se planejar a ida à banca do Tax Free no aeroporto, não deixar pra última hora, já que existe uma grande possibilidade de filas.

Importante: os produtos devem estar na bagagem de mão, para conferência. Se estiverem sido despachados no check-in, o reembolso pode ser negado.

Importante²: o prazo para ressarcimento é 3 meses a partir da data da compra.

O valor mínimo para pedir o ressarcimento é € 154,94 + IVA, na soma dos produtos comprados na loja. O valor do IVA varia de país para país, normalmente de 16% a 25%, podendo haver períodos de imposto reduzido.

Evidentemente, este benefício pouco tem a ver com as taxas de alfândega brasileiras. O desembarque no aeroporto por aqui vai acontecer como sempre foi, com a regra das cotas, revistas de bagagem, etc.

Este é um direito garantido ao visitante da União Européia, façamos uso dele. Coisa boa chegar de volta de viagem com uma graninha sobrando… ;)

Turista ou Viajante – o velho tema

Quem gosta da dinâmica de sair do seu conforto caseiro e se jogar na estrada, evidentemente já mediu sua disposição pra encarar ‘roubadas’ ou ‘viajar no conforto de um pacote turístico com direito a ônibus com ar condicionado e guia’.

Há quem diga que se pode separar as pessoas que viajam em dois grupos distintos: “turistas” e “viajantes”. Em resumo, o turista é o cara que paga pelo conforto do roteiro pré-programado, curte a ociosidade de passear por lugares marcantes; o viajante segue seus livros-guia e anotações, procura o que fazer, se enfia nos lugares a procura de experiências da cultura local.

No extremo da classificação, o turista não tenta falar o idioma local, não se mistura com o povo, não come a comida deles. Leva sua própria cultura de casa, anda em grupo com seus semelhantes turistas, procura não se expor.

O viajante, no outro extremo classificatório, busca de todas as formas se integrar; ele acelera e mira o choque cultural, busca a autenticidade da experiência. Quer se expor, aprender o idioma, ir na feira, almoçar em algum ‘prato-feito’ operário.

A filosofia da viagem depende um pouco do espírito aventureiro, das condições financeiras, das companhias, e muito provavelmente do próprio destino da viagem. Por mais viajante que for, como ir a Paris e não visitar a Torre Eiffel? Mesmo turistando por aí, como não sair do ônibus com ar condicionado em Londres e passear a pé no St James’s Park?

Toda forma de classificação limita o horizonte da conversa. Quero visitar o Coliseu tirando fotos e quero entrar num pub sujo de amsterdam pra tomar cerveja barata. Quero andar com meu grupo de amigos brasileiros e passear numa feira popular em Praga pra comprar batatas.

A grande coisa legal da viagem é justamente a liberdade de andar por aí, fazendo o que der vontade e o que o dinheiro permitir :)

—–

Esse assunto todo é bastante discutido por aí. Abaixo colei uns poucos links a respeito:

Ricardo Freire – 23/01/2009 em Viaje na Viagem http://viajeaqui.abril.com.br/blog/143345_comentarios.shtml?1311328

Viajantes contra Turistas Concierge – O turista razoável http://viajeaqui.abril.com.br/vt/materias/vt_materia_418026.shtml

Evoluindo de turista para viajante, uma mudança necessária – Jul/05 Revista Turismo http://www.revistaturismo.com.br/artigos/viajante.html

Turista ou viajante? Vida de Equilibrista http://equilibristas.wordpress.com/2008/10/30/turista-ou-viajante/

Turista ou viajante? Eis a questão… Coisa Parecida http://coisaparecida.blogspot.com/2009/02/turistas-e-viajantes.html

Turistas ou Viajantes? O Estado de S.Paulo – Caderno Viagem – 31 de julho de 2007 http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup27343,0.htm

Turistas & Viajantes Pelo Mundo – Mari Campos http://pelo-mundo.blogspot.com/2007/08/turistas-viajantes.htmlNão

Não sou turista, sou viajante – Overmundo http://www.overmundo.com.br/overblog/nao-sou-turista-sou-viajante

Somos Turistas ou Viajantes? – Arnaldo Interata http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2009/4/11/somos-turistas-ou-viajantes.html

Impulso

Pois é. Impulso. Ansioso que sou, seria impossível começar uma viagem deste tamanho de forma planejada, bem pensada, embasada de dinheiro e informações. Não…

Topamos com uma promoção extraterrestre de passagens aéreas pela Qatar Airways, US$ 311 ida e volta de São Paulo a Barcelona. O João comprou no impulso, eu não consegui comprar a tempo. Só sobraram passagens a US$ 460, preço ainda surreal, mas ligeiramente fora da margem de impulso que a minha conta bancária comporta.

Revirando o site da Qatar Airways, achei São Paulo -> Madrid (neste blog vou chamar de Madrid, apesar do português brasileiro eliminar o D mudo) por US$ 360, com ida disponível no dia 30/set.

Depois de um dia inteiro de agonia, entre ligações para a Central de Intercâmbio (agradeço a Juliana pelo ótimo atendimento), consegui comprá-las. Nem conferi direito a cotação do dolar com o preço final em reais, sei que paguei incríveis R$ 681 através de transferência bancária para a CI, por passagens de ida e volta a Madrid, ida às 3:10 da madrugada saindo de São Paulo, com escala em Doha (Qatar). Feito!

É assim que essa história começa…